Notícias

Pato Branco, PR °min °max

Autor: Ubiracy José Tesserolli

A falta de água em Pato Branco gera debates e críticas no Legislativo

Há mais de 30 dias, a cidade de Pato Branco enfrenta problemas com a falta de água.  A reclamação da população mais uma vez foi abordada pelos vereadores, eles criticaram durante a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), que, em suas opiniões, não planeja ações.  Na visão dos vereadores, o consumo de água não poderia aumentar repentinamente a ponto de comprometer o abastecimento local em um curto espeço de tempo.

Para o vereador Fabricio Preis de Mello (PSD), a companhia tem graves problemas  de gestão administrativa, por exemplo, gerenciamento técnico e administrativo, falta de  clareza de informações. O vereador quer que  o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e Vigilância Sanitária de Pato Branco procedam a coleta de amostras de água distribuída pela Sanepar em diversos  pontos da cidade e, posteriormente, envie ao Legislativo.

Na mesma linha técnica, o vereador Rodrigo Correia (PSC) disse que a situação é de calamidade pública. Ele registrou que novamente falou água em diversas regiões da cidade.  “Resume-se isso a vergonha, vergonha”, desabafou o vereador, acrescentando que a companhia está investindo, mas esse procedimento deveria ter sido feito  há mais de cinco  ou dez anos.

“Deixaram a chegar nessa situação, não investiram”, afirma Correia, que recordou o pronunciamento do presidente da empresa (Sanepar) realizado recentemente em Pato Branco e que parecia estar tudo dentro da normalidade, também criticou o deputado pato-branquense que não se posiciona em defesa da cidade. “Quero parabenizar o deputado  Nereu Moura, que teve a coragem e se pronunciou da Assembleia Legislativa sobre a situação em Pato Branco”, falou o vereador, lamentando que outros deputados não fizeram o mesmo, está tudo certo, Pato Branco está uma beleza.

O vereador Moacir Ronalce Dalchiavan (PP) comentou que havia recebido mais de 50 mensagens relatando a falta de água em pontos diferentes da cidade, inclusive gerando transtornos aos proprietários  restaurantes, os quais não possuem água sequer para lavar um copo.  Existem várias soluções, segundo ele, assim são necessárias ações urgentes para amenizar a situação. Os consumidores reclamam de que quando abrem as torneiras sai somente ar e o hidrômetro marca como se fosse  consumido água.

A Sanepar carimbou atestado de incompetência, conforme o vereador Marco Pozza (PSD), essa é a verdade, os responsáveis pela área de planejamento, a seu ver, não sabem planejar, e acrescentou, o atestado de incompetência deve ser estendido as secretarias municipais de Meio Ambiente e Planejamento. A razão é simples, no final do ano passado foi aprovado Plano Municipal de Saneamento  Básico.

Esse plano baliza toda a estrutura de saneamento público e baliza também a forma de contratação entre o Município e a Sanepar, enfim baliza a outorga de exploração e fornecimento de água. O importante projeto não foi devidamente debatido, e pouco se base como se dará a expansão do Plano Diretor de Pato Branco. “Pato Branco expandiu de forma desenfreada o seu Plano Diretor, expandiu com loteamentos com mais de 12 mil lotes”, salienta Pozza, e sem levar infraestrutura junta, compartilhada, como expandir sem a produção de água necessária, hoje falta água, amanhã faltará energia.

“Na minha casa ainda não faltou água”, explicou o vereador Gilson Feitosa (PT), mas me coloco no lugar da pessoa, da dona de casa que não tem água  no final de semana e não pode lavar a roupa. “Isso é um descaso total por parte da Sanepar”, disse o vereador, lembrando que existe um contrato celebrado  entre o  Município e Sanepar. A prestação de serviço é uma tragédia que envolve a  Sanepar. O gestor municipal precisa agir e cobrar das autoridades responsáveis ações urgentes.