Notícias

Pato Branco, PR °min °max

Autor: Ubiracy José Tesserolli

Aprovado em sessão deliberativa projeto que institui o Fumtran

O Plenário aprovou na quarta-feira (28), por unanimidade, o projeto de lei do Executivo que institui o Fundo Municipal de Trânsito (Fumtran). O projeto foi aprovado com emendas sugeridas pelo próprio gestor municipal. O fundo objetiva garantir condições financeiras para o custeio e investimentos em controle, operação, fiscalização, sinalização de tráfego, de campo, policiamento de trânsito, educação para o trânsito, ainda, o planejamento e gestão do transporte público.

As adoções orçamentárias são receitas originadas com arrecadação de multas, taxas e tarifas pela prestação de serviços na área de trânsito, do estacionamento Rotativo Regulamentado (Estar), convênios, termos de cooperação ou contratos associados à gestão do transporte público e do trânsito no Município, bem como pelo desenvolvimento de projetos específicos de sua abrangência, entre outras receitas.

Conselho

Pelo projeto, a gestão do fundo será supervisionada pelo Conselho Diretor.  O conselho é composto por um representante do Departamento de Trânsito de Pato Branco (Depatran), que  preside o órgão, e de um representante das secretarias de Engenharia e Obras, de Administração e Finanças e um representante da Procuradoria Geral do Município. 

Tribunal de Contas

O TCE-PR determinou a criação do fundo municipal em decorrência da municipalização do trânsito, ou seja, fez um convênio e se integrou ao Sistema Nacional de Trânsito. Com isso, o município passou exercer competências previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e assumiu a responsabilidade pelo planejamento, projeto, operação e fiscalização do trânsito no perímetro urbano e nas estradas municipais, além das tarefas de sinalização, aplicação de penalidades e educação de trânsito.

O Tribunal também recomentou ao município que foi auditado, que assuma a captação e manuseio das imagens do trânsito, deixando às empresas contratadas para a fiscalização apenas a captação online do material. Assim, a cidade passa a deter o completo manuseio do processo de captação e das imagens, inclusive instituindo controle interno.