Notícias

Pato Branco, PR °min °max

Autor: Admin

Repasse passará de cinco para dez mil reais

O Convênio de Cooperação Técnica e Financeira do município com o Clube Atlético Pato-branquense, passará, com aprovação do Projeto de Lei nº 112/2006, de R$ 5 mil para R$ 10 mil. A matéria foi aprovada na sessão ordinária de ontem (14), da Câmara Municipal de Pato Branco, e deve ser aprovada em segunda votação na próxima segunda-feira.O relator do projeto, vereador Aldir Vendruscolo (PFL) disse que irá cobrar contrapartidas do clube. “Entre suas obrigações, o Atlético deve oferecer três atletas para treinamento de futsal nos bairros e eles precisam nos informar se isso está sendo feito. O time também deve ceder atletas e comissão técnica para representar a cidade em competições, como acontece nesse final de semana nos Jogos Abertos em Maringá. Outra obrigação, é a prestação de contas através de relatório que deve ser enviado a câmara no dia 30 de cada mês, de acordo com uma lei de autoria do vereador Guilherme Silverio (PMDB)”, pediu Vendruscolo.O vereador antecipou seu voto para o próximo ano, dizendo que não aprovará novo repasse de recursos da prefeitura para o esporte profissional. “Acredito que o dinheiro público deva ser gasto com a comunidade, no esporte de base. Onde pode desviar crianças das drogas e da criminalidade”, justificou. Segundo ele, as empresas de Pato Branco podem suportar o time. “Meu parecer é favorável, mas tenho restrições. Sou sócio do clube e contribuo com ele, mas não com o dinheiro do município, que deve ser aplicado na comunidade”, finalizou.O vereador Cilmar Pastorello (PL) declarou que estará no próximo ano junto ao vereador Aldir Vendruscolo cobrando da prefeitura investimentos no esporte amador. “Precisamos cobrar esse investimento na comunidade, mas não podemos deixar o Atlético desamparado. O esporte profissional eleva o nome da cidade e traz bons resultados, mas sozinhos, eles não conseguem. Na maioria, nossos empresários só investem quando há parceria do município. Temo que a prefeitura deixando de contribuir, o time acabe”, alegou.Pastorello lembrou que em reuniões realizadas no fim de 2005 para discutir esse convênio, os diretores do Atlético declararam que seriam necessários R$ 8 mil mensais para sustentar o time. “Fizemos algumas reuniões onde defendi o valor de R$ 8 mil. Porém, chegamos ao consenso de R$ 5 mil, que não foi suficiente”, contou o vereador, lembrando ainda que os vereadores questionaram o prefeito Roberto Viganó (PDT), se com o repasse ainda teriam recursos para manter o esporte amador, segundo o vereador, a resposta foi positiva.