Notícias

Pato Branco, PR °min °max

Autor: Admin

Vereadores acompanham reunião de apresentação no novo Plano Viário

O crescimento da cidade deve ser expandido para fora do anel central, implantação de binárias, substituição de rotatórias por semáforos, sincronização de semáforos. As intervenções fazem parte da atualização de dados do Plano Viário da cidade de Pato Branco, concebido em 2005.As intervenções tiveram seus principais pontos apresentados, na noite de quinta-feira (14), pelo engenheiro de transportes, André Fialho, durante reunião no plenário do Legislativo, que contou com a presença de vereadores, prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e representantes da sociedade civil organizada.“A atualização de dados foi feita com base no estudo de 2005”, explicou o engenheiro André, ou seja, a expansão do atual plano, que mostra um crescimento muito grande de veículos. Pelos dados apresentados, nos últimos sete anos, o número de veículos aumentou em aproximadamente 50%, de 25 mil para 43 mil veículos, salientou o engenheiro, o crescimento da frota gerou em igual condição, aumento de conflitos no trânsito. Entre as medidas, estão à utilização de novas tecnologias, sincronismo dos semáforos, melhorias na qualidade de gestão, implantação de alguns binários, rotatórias na BR-158, enfim, é um conjunto de medidas a curto e médio prazos que deverão melhorar o fluxo de veículos, assegurou o engenheiro, ressaltando que o conceito de sentido único nas vias é alternativa correta para Pato Branco, porque uma via de dupla tem estacionamentos , conversões à esquerda e à direita, assim a via perde a sua capacidade.A atualização do Plano Viário propõe a expansão de sentido único, por exemplo, na avenida Brasil e Itacolomi com Pedro Ramires de Mello, são intervenções importantes, justamente, porque as vias propiciam o acesso à cidade. Em relação às rotatórias nos pontos críticos, elas devem ser substituídas pelos semáforos sincronizados, pois, estão fora de padrão. O engenheiro reafirmou que é necessário incentivar o crescimento descentralizado da cidade e com a redução da verticalização de obras no centro.