Notícias

Pato Branco, PR °min °max

Autor: Admin

Vereadores entregam duas homenagens na última sessão

Duas moções de aplauso foram entregues durante a sessão de ontem (2), da Câmara Municipal de Pato Branco. A primeira, de autoria do vereador Claudemir Zanco, o Biruba (PSD), foi oferecida a Assis Camícia, que, quando trabalhou na Itália, ajudou muitos pato-branquenses que iam para lá oferecendo ou ajudando a encontrar emprego. O segundo homenageado, Claudio Tschá, foi reconhecido pela sua atuação em diversas entidades do município. Ele recebeu a moção dos vereadores Biruba e Valmir Tasca (DEM).No ano de 1992, com 22 anos, Assis Camícia foi para Itália trabalhar, onde permaneceu por 18 anos. Enfrentou diversas dificuldades até que no ano de 1998, seis anos após chegar naquele país, iniciou sua própria empresa de construção civil, que chegou a ter 42 funcionários, todos pato-branquenses. Ele retornou ao Brasil no ano de 2010 e atualmente é um dos sócios da empresa Temper Sudoeste, que hoje emprega 20 pessoas.“Acredito que em meu lugar qualquer um faria a mesma coisa, pois ajudar os outros é da boa índole de cada um. Assim como eu ajudei muitas pessoas, outros fizeram o mesmo. Sou muito feliz por tudo que fiz por nossos pato-branquenses e faria tudo novamente, nosso povo é muito trabalhador e tem uma força enorme”, disse.O segundo homenageado, Claudio Tschá, atuou em diversas entidades do município, entre elas, Conselho Tutelar, Associação da Vila Militar, Capela do Bairro São Vicente e Pastoral da Criança da Paróquia Cristo Rei. Ele trabalhou durante 25 anos como policial, sendo oito anos na Polícia Rodoviária no Município de Planalto e 17 anos na Polícia Militar em Pato Branco. Enquanto policial, trabalhou como examinador voluntário do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) por dez anos.“Cada um de nós tem o dever de fazer algo pelo próximo, já que fomos criados a ‘imagem e semelhança de Deus’. Todos devemos fazer algo de bom nesta vida terrena. Por meio do Espírito Santo, recebemos dons e ninguém recebe um maior do que pode praticar. Se recebi esse dom, de ajudar e colaborar, não fiz mais que a minha parte atuando e contribuindo para essas entidades”, disse.